domingo, junho 11, 2006

Jesus me disse...>> 2º parte.

Parte II

A Vingança


Jesus não desce do morro para trabalhar no Mercado Público já há alguns dias. A sua mulher começa a notar mudanças de comportamento. Jesus chegava todos os dias em casa completamente bêbado, agressivo, e não dormia mais com ela. Quando ela demonstrava preocupação e questionava-o, ele sempre respondia fria e secamente:
-Não enche, mulher... -Olha Jesus, acho que tu tá doente... Tá sempre com essa cara de cachorro, não come, não dorme, não quer ir trabalhar mesmo sabendo que não tem mais nada dentro de casa pra comer... Tu vai é acabar morrendo, isto sim. -Não enche meu saco, mulher... Dizia isto e saia de casa, subindo o morro até próximo a uma capelinha com uma imagem de São Jorge matando o Dragão, onde tinha uma nascente de água abundante. Sentava ali meio escondido e ficava de “butuca” espreitando o barraco do Marreta, que era logo acima, matutando o que fazer para acabar com o que vinha sentindo. Era um sentimento de vazio por dentro uma agonia que não tinha fim. Ficava "viajando" com o Marreta, descendo o morro com seus comparsas, armados até os dentes com AR15 e pistolas. Jesus então pulava na frente deles também com uma AR15, metralhava primeiro os comparsas, depois dava dois tiros, um em cada joelho de Marreta fazendo ele se ajoelhar, enquanto o Saddam nada fazia para salvar seu dono. Depois Jesus aproximava-se do Marreta que estava de joelhos chorando e implorando que não fosse morto repetia : “eu não quero morrer, pelo amor de Deus livra a minha cara...” Jesus então sentia-se poderoso, chegava perto do Marreta, e falava com cara de mau: “então chupa o pau do Saddam até ele gozar, seu filho da puta!!!”. Saía do devaneio com um pequeno sorriso.

No dia seguinte, um sábado depois do meio-dia, Jesus vê o Marreta descendo o morro, dando ordens para todos os lados. No morro, aos sábados é rotineiro o sobe e desce de soldados do tráfico. Marreta vai para o boteco do Português onde fica mais perto da administração do seu negócio de drogas. Fica ali até á noite. Saddam fica guardando o barraco, e isto significa que ele esta carregado. Foi então que o sangue de Jesus encheu-se de coragem e maldade. Ele queria se vingar, teria que ser e muito bem feito, não importando as conseqüências. Ele pega um saco vazio de farinha branco de 60kg, um facão de abrir picada no mato, sua faca de peixeiro, uma metade de cabo de marreta e a última cabeça frita de tainha que tinham em casa. Coloca tudo dentro do saco e sobe em direção ao barraco do Marreta, ficando escondido por perto até entardecer. Depois, se esgueirando por trás do barraco, chama o Saddam - que a ouvir a voz de Jesus, vem chegando grunhido e totalmente excitado. Jesus mostra a cabeça de peixe frito e quando Saddam se abaixa para comer, recebe uma paulada na cabeça, mais outra, mais outra, e bate até ter certeza que Saddam está quase morto. Logo em seguida arrasta Saddam na direção da vertente e com sua faca de peixeiro abre a garganta do bicho. Com técnica, tira o couro e esquarteja Saddam. Com o facão grande, corta a cabeça, patas e tripas, e joga tudo pelo lado de trás do morro onde tinha um precipício. Depois, coloca toda a carne dentro do saco e desce o morro. Anoitecia quando ele chega no boteco do Protuguês, que estava bastante movimentado, com todo mundo puxando o saco do Marreta. Jesus entra no boteco carregando o saco, e todos olham pra ele. Mas ele se dirige indiretamente à Marreta, dizendo alto:
- Eu boto a carne de ovelha que ganhei no mercado, quem bota a cachaça e a cerveja? Marreta diz, entusiasmado:
-Eu boto, gente boa!
-Viu Marreta? Não te falei que ele era gente fina? Diz o Português, com um sorriso satisfeito. Uma janela do morro abre e uma mulher diz:
-Eu tenho umas batatas e ovos, posso fazer uma maionese!
-Tá dentro, responde Marreta. “Eu tenho carvão!”, “Eu pago umas cervas!”. Tá dentro, tá dentro! Imediatamente o boteco toma um ar de festa. Já aparece um cavaquinho, um pandeiro, um surdo, umas meninas do morro com saias curtinhas e sandálias altíssimas começando a sambar. Jesus é quem vai assar o churrasco, e ganha o primeiro copo de cachaça e começa espetando as parte de Saddam nos espetos, enquanto o fogo já estava quase pronto. Lá pelas 21h, quando o churrasco já está quase pronto, aparece seu filho dando uma bronca no pai. Seu chão parece sumir. – Pô pai, a gente lá em casa sem nada para comer e o senhor dando churrasco aqui no morro, vou levar um pedaço para casa. Marreta fala – não vai levar porra nenhuma, se sobrar tu leva, só se sobrar, e cai na risada... Jesus diz para o filho ir para casa, que ali não era lugar para ele ficar. O guri argumenta que esta com fome, sai para o lado do boteco senta numa pedra de onde enxerga a cidade lá embaixo. Fica em silêncio diante de toda áquela algazarra olhando as janelas dos edifícios com suas luzes acesas onde parece que todos estão felizes. Olha a avenida toda iluminada e cheia de carros, não entende nada, mas continua assim, olhando com olhos secos e vazios. Permanece assim por um bom tempo, quando ouve a voz de seu pai já embalado pela birita falando que o primeiro pedaço do filé era do Marreta, liberando geral para os convidados começarem a cortar seus pedaços e comerem com as mão. Seu filho se aproxima e pede um pedaço da carne. Jesus implora para que ele vá para casa. Um descuido e o garoto pega um pernil e joga para dentro do bolso da frente do moletom que queima sua barriga, e sai em direção de casa caminhando rapidamente. Jesus ainda tenta traze-lo de volta, mas o Marreta diz para deixar: - Assim sobra mais pra mim! E que aquela era a melhor carne que ele já tinha comido. Uma Delícia!!! Depois de terminado o churrasco, Jesus vai embora. Chega em casa e vê três pratos com marcas de feijão, arroz e as sobras dos ossos bem ruídos do Saddam sobre a mesa. Jesus deita em sua cama, se encolhe numa posição fetal e chora copiosamente.

3 comentários:

Marcela Homburger disse...

via a Nautilus-X2 submersible. Lawlor, who was described by police as in golf might be diminished now that the higher screen resolutions (minimum Shubin said.

Anônimo disse...

Gostei da história...tem uma estrutura dramática bem legal...dá para encenar este conto....um abraço.

Luiz Moojen disse...

Gostei da história...tem uma estrutura dramática bem legal...dá para encenar este conto....um abraço.