sexta-feira, dezembro 08, 2006

O Dedo duro.



Para economizar na produção de uma edição de turismo do litoral norte Gaúcho no final da década de 70, seguiram em viagem um repórter, um fotógrafo, o cara do Comercial e o motorista Arlindo da Brasília da Editora.
Três dias depois da saída desta equipe, toca o telefone numa reunião de pauta de fim de tarde. Atende o editor, coloca o telefone no modo viva-voz, e diz:
- Fala, meu!
- É o Nunes, estou falando aqui de Capão da Canoa.
- Tudo bem com o trabalho de vocês?
- Esta tudo bem sim, terminaremos ainda esta semana o trabalho de campo.
- E daê? O editor já começando a se impacientar com a ladainha.
- Bem, sai daí com a incumbência e a responsabilidade de administrar as despesas de viagem...
- Sim eu sei.
- Quando saímos de Porto Alegre para Tramandaí, o Santiago, o Renato e o Arlindo pediram um adiantamento...
- Adiantamento pra que?
- Fomos até o Porto, e eles compraram 50 pila de maconha e agora está acabando, eles querem comprar mais 50, aqui em Capão... O editor fica pensando preocupado e pergunta:
- Mas eles estão fazendo algum tipo de escândalo? Tem risco de vocês serem presos?
- Não, não! Eles são super reservados, só fumam dentro do carro.
- E eles estão trabalhando? Como está o trabalho deles?
- O Santiago já fechou as duas capas internas, as páginas centrais, 4 cores, vários anúncios de páginas inteiras e meias páginas. Fechou também com uma construtora de Atlântida, um encarte em papel chambril 4 cores, para circular também dentro das edições normais da Editora. O fotografo já fez todas as fotos inclusive as do comercial e agora estamos seguindo para Torres onde o Santiago falou que já fechou com um hoteleiro a quarta capa desta edição...
- Então!!! Dá o dinheiro pra eles, meu!
Desligando o telefone, fala para o diretor administrativo, decidido:
- Demita este dedo-duro na volta!!!
(os nomes são fictícios, é claro.)

Nenhum comentário: