quinta-feira, dezembro 14, 2006

Doca das Frutas.

Não lembro mais o nome da comunidade que ficava do outro lado da rua Washington Luiz, para quem descia pela Gen. Portinho até a beira do rio Guaíba. Ali morava o velho Zé, um gaúcho calmo e pescador, que também alugava barcos para passeios. Ele estava sempre de bombachas camisa branca aberta e com um cinto largo e uma faca atravessada nas costa, com bainha de prata toda trabalhada, que com ela ficava picando fumo de ramo com um pé no barco e o olhar perdido no horizonte.
Um dia um outro morador um negão forte pra cacete, completamente bêbado se aproximou do velho Zé e deu um violento soco em sua cara. O velho Zé, antes de cair no chão, sacou rapidamente a faca da cintura e num golpe de cima para baixo abriu o peito forte do negão que ficou surpreso com a velocidade do golpe. A coisa mais feia que já tinha visto até aquele dia. O agressor arquejando em pé com um enorme talho no peito que deixava ver seu coração batendo por traz das costelas, e ele com olhos arregalados com aquela reação do velho Zé que além de velhinho era também bem magrinho, mas ligeiro como um raio.

Antes das dragas começarem o aterro onde hoje é o colégio Parobé, a gurizada fazia uma vaquinha na pracinha da Bronze, e ia até as Docas das Frutas, onde os barcos ficavam atracados no porto em frente do Pão dos Pobres, vendendo todos os tipos de frutas que vinha das chácaras pelos lados da Serraria e de Belém Novo. Comprávamos meio cento de bergamota e voltávamos pela beira do rio descascando e colocando as casacas entre os dedos, jogando-as como bumerangues ou helicópteros. Era mais brincadeira do que vontade de comê-las.
Nesta mesma época das bergamotas, as vezes levávamos rojões e íamos jogando dentro do rio para ver espalhar água. Nossa prática era mais ou menos assim: acendíamos os rojões, contávamos até cinco e atirávamos na água.
Um dia o Alfeu errou nas contas e ele explodiu em sua mão, a mão do Alfeu ficou como estas luvas cirúrgicas quando se começa a encher. Parecia um balão. Me parece que ele quebrou vários dedos, não lembro bem...

Mas a história que quero contar mesmo foi da Guerra no Rio Guaíba, entre eu e mais dois contra a turma da Rua Demetrio Ribeiro...

Aguardem...



5 comentários:

Verinha disse...

Eloy!!!
Acabo de ler sua história. Fico
pensando que época divertida foi aquela da nossa infância.
Fazíamos coisas que os meninos de hoje não fazem. Eu, por exemplo,
adorava subir em árvore prá roubar
frutas em casas de vizinhos.
Era muito gostoso e excitante
fazer aquelas coisas proibidas.
Claro que às vêzes acontecem coisas
que não desejamos, como a mão do menino...

Livre Expressão da Lucilaine disse...

Eloy, gostei da historinha do velhinho e acredite se quiser, tive que ir no google pesquisar o que era bergamota, pq pro meu lado de Minas é só tangerina mesmo ou "mexerica"...
Lendo e aprendendo! aguardo a próxima... e gostei de vc ter voltado a publicar.
Bjos

Marga disse...

Adoro tuas histórias Elóy!
Tempo bom aquele!!Não vivi tudo que tu viveste,mas lembro de amigos contando estas coisas que aprontavam! Beijo!Marga

Baliza disse...

beleza de história meu velho...continua a escrever das cisas da nossa terra
Dá pra matar a saudade.
Abraços
Felipe

Elizabeth disse...

eu disse pro Eloy no orkut: povo brabo esse da Doca. E ele: aqui no Sul eles capam.
Taí, sempre gostei do povo dos pampas, gente decidida, que não fica em cima de muro!