segunda-feira, janeiro 01, 2007

Guerra no Rio Guaíba.


O lago da Redenção já era pequeno demais para minhas aventuras náuticas em 1962, e, além disto, descobri que o velho Zé alugava barcos no rio Guaíba sem nenhuma exigência, então passei olhar as ilhas em frente do bairro Alto da Bronze como terras a serem conquistadas. Só tinha um problema... O dinheiro para o aluguel do barco ali era bem mais caro que os da Redenção.

Eu estava decidido a embarcar numa aventura até a ilha mais próxima e para isto comecei uma pesquisa no Colégio Paula Soares onde estudava, na 4º serie. Foquei um guri que poderia financiar esta empreitada. Notava que ele sempre andava com um bom corte de cabelos, boas roupas e um sorriso que ele não tirava do rosto nem mesmo brabo, via também que as professoras lhe dedicavam total atenção e às vezes ele era buscado de automóvel no colégio. No colégio nós éramos amigos, mas só no colégio. Nunca via ele na rua ou na pracinha com alguma turma de guris, mas ele tinha uma cara boa de gente legal e foi por isto que o convidei para esta primeira aventura, uma conquista da ilha pequena e ele topou na hora. Só tinha um problema: ele era de uma espécie de guri rico e bem cuidado. Depois vim saber que ele era mesmo. Filho único no meio de cinco irmãs mais duas mães. Eu ainda não sabia que as pessoas se separavam. Ele foi o primeiro guri que conheci filho de pais separados. Para começar eu teria que ir até sua casa pedir permissão para seus pais - coisa estranha, eu saia à hora que queria depois das aulas e meus amigos também, imaginava que todo mundo era assim como eu.
No dia combinado fui eu e meu irmão mais novo, Zezinho, até o amplo apartamento no edifico GBOEx, onde ele morava pedir permissão e mentir para ele ir comigo andar de barco na Redenção.
Fui interrogado pela sua madrasta durante vários minutos, ela fazia questão de me mostrar o quanto valia aquele guri e isto quase me fez desistir da aventura no rio e ir com aquele príncipe (cara ele tinha) pra redenção.
Eu falei:
- Eu me responsabilizo por qualquer coisa que poderá vir a acontecer com ele.
Ela então falou:
- Quer dizer se acontecer do André (Jockyman, filho do Sérgio, um dos maiores e melhor jornalista que já conheci) morrer, você vai me dar um outro André?
Aí me dei conta da enorme responsabilidade, pensei:
“Puta que pariu... que fria estão me metendo”.
Depois de meia hora de recomendações, para a minha surpresa e angústia, ela concordou. Agora era eu que não mais queria ir ao rio e sim remar no lago da redenção, mas o André e o meu irmão não quiseram aceitar as mudanças de planos. Já de cara comecei a me preocupar para atravessar as ruas quase pegando ele pelas mãos que ele soltava querendo mostrar rebeldia. Logo eu, que nunca me preocupava com nada até este dia.
Ele e meu irmão iam correndo na frente como cachorrinhos de apartamentos e eu atrás com o coração na mão:
- Cuidado com o bonde, olha os carros, meu Deus!
Quando chegamos para escolher o barco, escolhi o mais largo e com melhor estabilidade, porem ele era pesado e lento, mas sabia que este não viraria.
Notei quando estávamos chegando ao velho Zé que a turma da Rua Demetrio Ribeiro tinha seu próprio barco, e todos estavam soltando rojões na água e fazendo uma enorme algazarra, alguns mergulhando e dando caldinho nos guris menores e os outros em pé dentro do barco mostravam destreza e velocidade no remo.
O André sentou na proa e meu irmão na popa enquanto eu sentei no meio, no lugar dos remos sob protestos dos dois.
Eu já tínha remado um quinhetos metros da margem e vi que entrava água pelas frestas mal calafetadas do barco e por isto já tinha duas latinhas estrategicamente posicionadas para ir tirando a água de dentro. Isto achei normal.
Então... vi a turma da Demetrio Ribeiro se aproximar velozmente em nossa direção, atirando rojões às gargalhadas. Foi quando um dos rojões caiu dentro do nosso barco fazendo ele se estremecer todo, quase rachando suas tabuas velhas e frágeis.
Reconheci o alemão Edson, seu irmão Lauro, o Cadico, e o “traidor” Martelinho, morador da Rua Fernando Machado que estava nos remos rindo e fazendo a maior força. Eu ameacei de quebrar suas caras se eles continuassem. Ai mesmo que eles riam mais e jogavam mais rojões. Pedi que meus marujos:
- Tirem à água do barco, tirem à água...
A água já estava tapando nossos pés e isso me deixava aflito: o que fazer se o barco afundasse com aquele principe dentro dele? Eu daria outro André à madrasta? O suor escorria no meu rosto naquela tensão da guerra de barcos, que mais parecia um filme de piratas com canhões e espadas. Enquanto os piratas liderados por alemão Edson com sua cara de mal e um dente de ouro exposto pelo sorriso cínico, bombardeavam meu navio. E eu dizia: "Continuem tirando a água!", mais aflito do que nunca. Foi então que decidi lutar de frente para proteger o principe André. Me levantei e peguei o meu remo-espada, que serviu para que eu rebatesse as fortes e pesadas balas de canhão. Rebati uma, duas, três, até que o capitão pirata deixasse de sorrir. Mas mesmo com uma pequena vantagem, meu navio era muito fraco e a água, apesar do empenho de meus marujos, já estava nas nossas canelas. Olhei para margem e vi o velho Zé que vinha gritando e remando em nossa defesa da guerra. Os meus tripulantes estavam paralisados de medo, mas, mesmo assim, o André continuava com seu sorriso de Curinga. Foi então que, felizmente, percebemos que a correnteza estava à nosso favor. Percebi que o navio pirata deles estava ficando de lado para o nosso. Apesar de ser mais fraco, o meu navio era maior que o deles e, com isso, empurramos com toda a força o nosso contra o deles. O gigantesco navio pirata vacilou na água, e, logo depois, virou, para nossa felicidade e desespero da turma da Demetrio Ribeiro, que ficaram agarrados ao navio e assustados com os corpos dentro do rio.
Logo me dispersei da minha "viagem" de filme e, aliviado, vi que meus tripulantes marujos estavam salvos. Foi aí que eu vi o velho Zé, que chegou ralhando com eles. Fomos rebocados pelo barco do velho, já que o nosso ficou à deriva com água que já cobria nossas canelas, mas contentes e felizes como todos os vencedores.

Anos depois nos encontramos por acaso, na combatente e vibrante sucursal do Jornal O Globo, no 2º andar do edifício do Relógio na Rua da Praia. Lá trabalhamos juntos por vários anos (1978/1984), eu como representante do Dr. Roberto Marinho, ele na redação e o Zezinho, meu irmão, como motorista e distribuidor do jornal em Porto Alegre.

17 comentários:

Verinha disse...

Puxa!! Que bárbaro! Adorei tua história Eloy!
Vejo que já eras arrojado desde
pequeno, acostumado a se virar sozinho estranhava que um menino
de tua idade fosse tão "cuidado".
Acho que valeu a intenção de
passear de barco, mesmo que ele
estivesse furado e entrando água.
Adoravas "correr riscos", isso prá
ti era adrenalina, então estavas sempre inventando uma nova brincadeira.
Tua vida é muito rica e tens muito o que contar aos teus descendentes.

Livre Expressão da Lucilaine disse...

Eloy,
Que infância travessa e gostosa. E o mais legal é reencontrar os protagonistas da história anos depois!!!
Valeu! Eu gosto de ler suas "maluquices"...
Bjão,

Marga disse...

Mas bah!!!Eu queria ter tantas história assim pra contar,até tenho algumas,meio sem graça,aliás!hehe
Mas ,como já comentei em outras..vivi,convivi com pessoas que aprontaram muito que nem tu!Adorei! Bom Natal guri! Bjs

Anônimo disse...

Amei a história! Será que ainda se faz Anjo da Guarda como antigamente?

Zuleide

Anônimo disse...

Oi Eloy, que legal teu blog. Gostei da história, não sabia que meu pai era riquinho e parecia um príncipe quando era guri rsrsrs. Que arteiros...
Feliz Natal pra ti também!
Abraço.
Giovana Jockyman

Anônimo disse...

Eloy:
Lendo a tua historia do Rio Guaíba, lembro do Edson do alemão Lauro, e do Fernando (Martelinho, um "bundinha" que morava perto da minha casa na Fernando e andava nas posnta dos pés). O Cadico não sei quem é e quanto ao velho Zé, diziam que ele era lobozomem e eu me "cagava " de medo dele.
Bons tempos aqueles onde todos os sonhos pareciam possíveis.
Onde anda o meu amigo Zézinho? Mande abraços a teus irmãos.
Parabéns pelo Blog e Feliz 2007.

Ilton Silva

Pedro Boletto disse...

Esta narrativa me levou fundo para aquela época mágica, onde os "bandidos" éramos nós...
Quando saiamos pela Demetrio ribeiro fazendo arruaças, roubando brucutu dos fucas, tocando campainhas e fugindo, brincando de caça ladrão, pedradas nos carros atrás dos muros, nós de biscoito nos bondes.......e, pra não deixar de constar a noite era ir na duque ver as Pitrez.
Vivíamos no guaíba nestes caiques fazendo estripulias, saiamos do veio Zé e íamos para a ilha, e depois até a praça do gasômetro onde a Kátia Valdez, minha namorada, morava junto com a idala, e outras gurias da turma, ficavam na sacada vendo as nossas peripécias, até afundarmos o barco e irmos a nado até a praça. Um dia com chuva, fizemos o mesmo, mas nos demos mal pois chamaram os bombeiros e disseram que eramos reincidentes nas travessuras aquáticas. nos levaram e fizeram os pais de cada um buscar com a devida mijada.
Hoje sou velejador e passeio muito por este rio que fez parte da nossa infância e influenciou muito na nossa formação.

Valeu as memórias!
Pedro Boletto

André Jockyman disse...

Caro
Li a Guerra no Guaiba e me divert com a imagem que fizeste de mim. Guri riquinho e pra derrubar...Mas fica a licença poética. Abs

André Jockyman

Baliza disse...

beleza de causo meu velho...me trouxe a lembrança de diversas aventuras passadas também lá pros lados da Redenção com minha turma da Vicente com protásio...dias desses te conto uma de amargar.
Felipe

Morgana Pessôa disse...

Delícia de histórias!!!

Anônimo disse...

Senti a água no meu rosto e ouvi a pancada do remo. Viagem delirante...Obrigada Eloy, bjs Rachel

flyfly3 disse...

This is very nice blog. do you konw Mozilla Firefox web browser?I really loved it,I hope you may want to download and try. thank you.

Cau disse...

não vai mais atualizar?
estou ansiosa para a próxima história, senhor Terráqueo.

beijos

chiquitacubana disse...

Pedimos a todas las personas e instituciones defensoras de los derechos civiles en el mundo que contribuyan a la movilización del Primero de junio, lunes proximo, donde exigimos al gobierno cubano a:
- Liberar a los presos políticos en Cuba
- Levantar las prohibiciones que impiden a los cubanos entrar y salir de su país
- Levantar las prohibiciones de acceso a Internet para los cubanos

Durante todo el mismo día, un día entero, todos los blogs y webs de cubanos y no cubanos presentes en esta manifestación, dejaremos abiertos nuestros blogs, o webs, con la misma página de inicio y una idéntica reclamación.

Haremos en nombre del pueblo cubano, al gobierno de la Isla, tres legítimas reivindicaciones:
-Libertad de todos los prisioneros políticos.
-Libertad para entrar y salir del país.
-Libertad de acceso a Internet.

We ask all persons and institutions defenders of civil rights in the world that they contribute to this mobilization, and we call the Cuban government to:
- Liberate the political prisoners.
- Abolish the interdictions which prevent the Cubans from entering and leave of their country.
- Abolish the interdictions of access in Internet for the Cubans.

Nous demandons à toutes les personnes et institutions défenseurs des droits civils dans le monde qu’ils contribuent à cette mobilisation, et nous appelons le gouvernement cubain à :
- Libérer les prisonniers politiques.
- Supprimer les interdictions qui empêchent les cubains d’entrer et de sortir de leur pays.
- Supprimer les interdictions d’accès à Internet pour les cubains.

Chiediamo a tutte le persone e istituzioni che difendono i diritti civili nel mondo di contribuire a questa mobilitazione, e invitiamo il governo cubano a:
- Liberare i prigionieri politici in Cuba
- Togliere i divieti che impediscono ai cubani di entrare e di uscire dal loro paese.
- Togliere le proibizioni di accesso a Internet per i cubani.

KÜBA DENMOKRATİK DİRENİŞİ AŞAĞDAKI ÇAĞRI YAYINLAMAKTADIR.
Küba Hukümeti ve tüm dünyaya çağrı:
- Küba’daki siyasi mahkumlarının serbest bırakılması.
- Kübalıların kendi ulkelerine serbest giriş ve çıkışlarını engelleyen yasakları kaldırılması.
- Kübalıların İnternet erişimi üzerindeki yasakları kaldırılması için.

Bu dünyada sivil haklarını savunan tüm kişi ve kurumlar katkıda bulunmalarına davet ediyoruz ve Küba hükümetine çağrı da bulunuyoruz.

Pedimos a todas as pessoas e instituições que defendem os direitos civis no mundo que contribuam com esta mobilização y fazemos um chamado ao governo cubano para:

- Libertar todos os presos políticos em Cuba
- Levantar todas as proibições que impedem os cubanos entrarem e sair do seu pais.
-Levantar as proibições ao aceso a Internet para os cubanos.

Wir fordern die kubanische Regierung auf:
- Die bedingungslose Freilassung aller politischen Gefangenen. Das ist und bleibt unsere Hauptforderung
- Darüber hinaus klären wir auf, wieder einmal, dass die Reisefreiheit in Kuba eine akute Menschenrecht Verletzung ist. Daher verlangen wir eine endgültige Reisefreiheit für die Kubanische Bevölkerung. Das wir ohne jegliche politische Hindernisse unser Land Frei verlassen und zurückkehren dürfen.
- Abschaffung des Entzugs im Internet. Freizugänglichkeit ins Internet für alle Kubaner und Abschaffung der Stattlichen Kontrollen für die Bevölkerung Kubas in das Netz.

Renata B. Figueiredo disse...

Ola Eloy!
Adorei tuas histórias.
Me parece que você é muito criativo.
Lendo a tua história, lembrei da minha infância.
Obrigada.
Renata Figueiredo, muito prazer!

chiquitacubana disse...

Hoy martes 23 de junio, lanzamos este aviso general.
AVISO para todos, blogueros y no blogueros, cubanos y no cubanos, dentro y fuera de la isla-cárcel castrista: el mes de agosto COMENZAREMOS LAS PRIMERAS MOVILIZACIONES PÙBLICAS EN CUBA.
Ya podemos todos empezar a crear, imaginar, organizar, concertar todos unidos este gran proyecto movilizador por la LIBERTAD de Cuba.
Proyecto: MOVILIZACION EN LA HABANA POR LA LIBERTAD.

El mes de agosto, en la ciudad de La Habana, pediremos al régimen LIBERTAD. La fecha y el lugar quedan por precisar.
Que cada uno de nosotros transporte el mensaje a través de la Web y a través de toda Cuba. Contactar las organizaciones de Resistencia y lanzar esta convocatoria general.
Lo podemos lograr. Lo lograremos.

RESISTENCIA ¡! UNION ¡!
VIVA CUBA PRONTO LIBRE ¡!

Anônimo disse...

Oi Eloy!
Tens mais conto por aqui, que eu não tenha lido.
Tens algum conto novo??
Gosto muito das tuas histórias.
Renata