domingo, julho 02, 2006

GASÔMETRO

Foto ef 1962.
Na década de 60, minha família e eu morávamos na Rua Vasco Alves, em Porto Alegre. Da varanda, enxergávamos quase todo o rio Guaíba, a ilha da Pintada, a temida prisão da ilha da Pólvora, a Cidade de Guaíba do outro lado do rio, a praia da Alegria e, finalmente, o início da construção da Borregard, hoje Riocel. Nesta época já tinham iniciado a remoção dos presos do “cadeião” da volta do Gasômetro. Fui até lá ver a transferência dos presos e fiquei surpreso com a quantidade de cachorros que eles carregavam pelo pescoço, embarcando em ônibus. Lembro-me que alguém perguntou o por quê daquele monte de cachorros, e um Brigadiano respondeu: são as esposas deles. Foi aí que pude perceber que a maioria eram cadelas.

O meu pai, que era da Marinha Mercante e um dos dirigentes do Sindicato dos Marinheiros, estava embarcado em um pequeno navio petroleiro chamado “Sant’Ana”. Quando ele saía de viagem, eu, minha mãe e meus irmãos ficávamos com toalhas brancas despedindo-nos dele da varanda do terceiro andar, enquanto ele ficava no meio do navio entre o convés e a popa, com uma enorme bandeira do Brasil acenando pra gente.

Naquele tempo ainda se podia nadar no rio, embora as melhores praias que nós freqüentassemos era a praia Ipanema, Assunção e Pedra Redonda. Mas a gurizada gostava de matar a aula e ir até a pedra da Coroa, que ficava entre a Usina e um depósito da CEEE para alí nadar, e como todos nós nos conhecíamos, não era perigoso. Mas os mais velhos gostavam de ir até os fundos da Usina e mergulhar de cima das “chatas” que descarregam carvão para abastecer a mesma. E um dia eu fui junto e "viagei" (primeira over), quase não volto mais. A brincadeira era subir nas chatas sem sermos vistos pelos marinheiros, e saltar no rio, agarrando-se na margem. Acontece que quando vi a altura da chata que deveria pular eu gelei: era alto demais... Minhas pernas não obedeciam, meu coração disparou, fiquei completamente em pânico com a altura que eu deveria saltar... Além do que, era longe demais do cais e eu poderia ser pego pelos guardas ou os marinheiros do rebocador. Foi aí que, num impulso, eu saltei e senti pelo corpo todo um formigamento como se de cada poro saísse uma faísca elétrica com a barrigada que dei quando cai na água. Nadando eu tentei me aproximar do cais mas não consegui, e como tinha saltado por último, a gurizada já estava correndo para a "Pedra da Coroa" e já não olhava mais para trás. Eu subi umas três vezes pedindo socorro: subia, tentava respirar e ao mesmo tempo tentava gritar. Mas eles já iam longe e não conseguiam mais me ouvir. Vi minha curta vida passar diante de meus olhos como num filme. Já estava no fundo do rio com as pernas enterradas até os joelhos na lama do fundo. Era uma paz morrer daquele jeito, acho que depois não senti nenhum desespero. Sentia meu corpo flutuando, leve, sendo elevado por um foco luz que atravessava a cor barrenta do rio, e me vendo no fundo dele num desprendimento sereno de quase gozo. Já estava me entregando quando uma mão me agarrou pela cintura me tirando da água, era como a mão de minha mãe quando me abraçava para me consolar de alguma dor ou febre... Foi uma mão incrivelmente segura e firme - aí sim me bateu um desespero. Quando consegui respirar e ver a luz do Sol, a brisa maravilhosa tocando meu corpo quase morto, a gurizada assustada em minha volta olhando atentamente o adulto que acabava de salvar a minha vida. Eu tremia todo, chorando e prometendo voltar para pagar a carteira de cigarros "Continental", agora imprestável, que estava na cintura do marinheiro do rebocador, preso pelo elástico de seu calção.
Só que nunca mais voltei ali nem para nadar e nem paguei a carteira de cigarros que aos prantos tinha prometido pagar. Fiquei uma semana colocando toda água do Rio Guaíba pra fora, com a maior diarréia. O Guaíba já estava poluído!

_

6 comentários:

Alexandre de Albuquerque disse...

E não é, caro Eloy e demais...? Por que não esquecem que temos rios e jogam nossos dejetos e resíduos em outro poço?

Marta Fq disse...

Por tanto tempo morei em POA, e até trabalhei pertinho do gasômetro, mas nunca explorei bem aquela região. Ás vezes, parece que o passado nunca existiu!! E talvez então não tenhamos futuro...
Você escreve muito bem, é corajoso.
Gostei muito do teu blog.

Alessandro disse...

Cara, quase que foi sua maior viagem, heim!
Bem legal a história... falow!

Anônimo disse...

Eloy :
Em primeiro lugar a "coroa" não era atrás da Usina era atrás do ABSDAER, sei porque me escondia atrás do prédio para nadar até a coroa, tentando evitar que minha mãe , a D.Jessy, me visse.
Segundo que a sensação que tiveste ao quase morrer, também tive ao salvar o Mauro, de morrer afogado.
Interessante é que nunca ouvi relato de fatos assim.
Um dia quem sabe poderemos entar e trocar esta experiência.
Um grande abraço meu amigo, também vivi a troca de presos no Cadeião.

nara lisbôa disse...

que historia eloy!! nao sabia de teus dotes no teclado! ainda bem pra nos todos que alguém te puxou!
beijocas alegres

Coti disse...

Que experiência fantastica,Eloy! E é uma criaçãoliterária de qualidade! Que venham outros capítulos!